Carta aos sócios

Associação Ateísta Portuguesa
Carta aos sócios

Hoje, dia 11 de Julho, teve lugar a Assembleia Geral da Associação Ateísta Portuguesa (AAP) com carácter eletivo. Desse encontro, foram eleitos os novos órgãos sociais numa lista que pretende ser simultaneamente de continuidade e de renovação. Como novo dirigente, é a primeira vez que me dirijo a centenas de sócios que compõem a nossa organização, os quais gostaria de começar por saudar com os mais fraternos cumprimentos.

Foi hoje também aprovado o Plano de Atividades para o biénio 2020-2022. Para além do programa proposto, e já de si ambicioso, foram também aceites outras sugestões como a ênfase nos encontros presenciais, a realização de percursos temáticos e dar início à criação de um Museu do Ateísmo. Gostaria de contar com todos vocês para as iniciativas que iremos tentar desenvolver um pouco por todo o país.

A nossa visão é que a AAP funcione como uma comunidade que sirva de ponto de encontro para ateus e ateias, agnósticos, humanistas, céticos, racionalistas e livres-pensadores. Queremos uma Associação construída por todos nós, para todos nós.

Sabemos que teremos grandes desafios pela frente: desde o avanço do fanatismo religioso, de ideias extremistas que ameaçam a liberdade e a democracia, ou os ataques à laicidade. Perante eles, não ficaremos calados. Mas sabemos também quais os valores que nos orientam e nos quais nos apoiaremos: os valores da República, da Laicidade, da Tolerância e dos Direitos Humanos.

Mas não há futuro sem passado. Por isso, a Assembleia Geral de hoje aprovou por unanimidade um voto de louvor aos membros dos Órgão Sociais que nos precederam.

Além disso, foi também proposto que ao anterior Presidente, Carlos Esperança, fosse atribuída a categoria de Sócio de Mérito, conforme o Artigo 11º do Regulamento Interno, que dita que esta distinção possa ser atribuída a quem se tenha “destacado pelo seu mérito cívico, científico ou cultural, ou por relevantes serviços ao desenvolvimento e progresso da Associação Ateísta Portuguesa”. É com enorme felicidade que vos comunico que esta proposta foi também aprovada por unanimidade e celebrada pelos membros presentes. Ao Carlos Esperança, deixo o nosso sentido agradecimento pelo seu trabalho e dedicação.

Caros sócios, não me alongo mais. Espero que tenhamos a oportunidade de nos encontrar em breve. Desejo boas férias a todos.

Lisboa, 11 de Julho de 2020

João Lourenço Monteiro,

Presidente da Direção


 

Saudação do presidente cessante.

Caros Consócios,

O movimento que legalizou a Associação Ateísta Portuguesa começou há mais de duas décadas e dinamizou-se num hotel de Coimbra, onde algumas dezenas de ateus e ateias se reuniram, numa sessão de trabalho, após o almoço convocado sob o lema “Vale mais um primeiro almoço do que a última ceia”.

Após intensos debates e muitas centenas de artigos, divulgados em ‘sítios’ ateístas e no Diário Ateísta, durante anos, procedeu-se ao registo notarial, em 30 de maio de 2008, e foi nomeada a comissão promotora da primeira Assembleia Geral, onde foram eleitos os corpos sociais do primeiro mandato.

Recordo que estávamos perante uma ofensiva clerical, quando a peregrinação de 13 de maio a Fátima, uma maratona pia comandada pelo cardeal português, Saraiva Martins, emigrado no Vaticano, tinha sido convocada sob o lema belicista «Contra o ateísmo». Foi uma grande honra ter integrado esse movimento ateísta e participado na criação da AAP, de que fui o primeiro presidente durante os 12 anos que ora findam.

É a última vez que me dirijo a centenas de sócios dispersos pelo país e estrangeiro e, por isso, vos envio uma última e calorosa saudação. Saúdo ainda os ateus e ateias não sócios e os agnósticos, racionalistas, céticos e todos os livres-pensadores, especialmente os que vivem em países onde são perseguidos e mortos pelas teocracias ou marginalizados pelo poder onde as religiões se infiltraram nos aparelhos de Estado.

Solidarizo-me com todos os que, em condições adversas, contestam as verdades únicas e combatem a violência clerical, onde quer que surjam e os ateus se encontrem.

A AAP repudia o proselitismo e nunca foi uma central de propaganda que incensasse o ateísmo. Defendeu, sim, a laicidade do Estado, e combateu a ameaça das religiões, que incitam a xenofobia, o racismo, a misoginia e a homofobia, sendo fiel à Constituição da República Portuguesa e à Declaração Universal dos Direitos Humanos.

É desolador ver os judeus sionistas a espalhar a violência e a morte na faixa de Gaza e a inviabilizar o Estado da Palestina; os islamitas a impor a sharia; os nacionalistas hindus, na Índia, e os budistas na Birmânia a acossar os muçulmanos; e quaisquer outras manifestações de intolerância religiosa onde quer que ocorram.

Do protestantismo evangélico ao cristianismo ortodoxo, do catolicismo dos exorcismos ao fascismo islâmico, do judaísmo sionista ao hinduísmo das castas e vacas sagradas, as religiões continuam a mostrar a sua nocividade e falsidade.

A AAP repudia os privilégios que a Concordata e a Lei da liberdade religiosa atribuem à Igreja católica, certa de que a fé não se impõe por tratados nem cabe ao Estado pagar a sua difusão. A laicidade é um requisito da tolerância e a garantia da liberdade para todas e cada uma das religiões.

Não há sociedades livres sem respeito pela liberdade individual e a igualdade de género. Repudio a moral imposta pelas religiões, fruindo a vida, um bem único e irrepetível, até ao limite do prazo biológico ou da minha decisão.

Perante os que aguardam que a idade ou o medo da morte abalem as minhas convicções, de mais de sessenta anos, recordo Voltaire no leito da morte, quando o clero, para exibir o troféu, «converteu-se na hora da morte», pretendia que «negasse o Diabo», respondeu com fina ironia: «Não é o momento apropriado para criar inimigos».

Christopher Hitchens, influente escritor e jornalista britânico, autor do livro «Deus não é grande», quando soube que, na sequência do cancro que o consumia, se faziam apostas na NET sobre se se converteria antes de morrer, declarou sarcástico: «se me converter é porque acho preferível que morra um crente do que um ateu».

Fiel ao ateísmo e à Declaração Universal dos Direitos Humanos, certo de que o ónus da prova cabe a quem afirma a existência de um qualquer deus e não a quem o nega, serei sempre um defensor do livre-pensamento. Combatendo as crenças, respeito os crentes, seja qual for o embuste em que creiam ou a fé que perfilhem. Um ateu não pode aceitar o totalitarismo de qualquer corrente filosófica, incluindo o do próprio ateísmo.

Todos somos ateus em relação aos deuses dos outros. Os ateus só negam mais um deus do que os crentes.

Caros consócios, agradecendo aos ateus e ateias da AAP, em especial aos membros dos corpos sociais, a sua colaboração inestimável, despeço-me de todos com um caloroso abraço republicano, laico e democrático, e as habituais saudações ateístas.

E continuarei sempre presente.

Viva o livre-pensamento!

03-07-2020

Carlos Esperança